quinta-feira , 20 julho 2017

Home » Sem categoria » Grupo está interessado em financiar o trem ligando Goiânia a Brasília

Grupo está interessado em financiar o trem ligando Goiânia a Brasília

maio 16, 2017 9:21 pm by: Category: Sem categoria Leave a comment A+ / A-

Fruto do trabalho incessante do Governo de Goiás na busca de investimentos para o estado, o trem de alta velocidade ligando Goiânia a Brasília, também conhecido como Expresso Pequi ou Trem Pequi, despertou o interesse de um grupo de investidores formado por empresários coreanos, chineses e brasileiros, liderados pela A’REX, braço operador de um grupo de empresas coreanas que exploram uma linha de média velocidade ligando Seul aos aeroportos internacionais. O material foi elaborado pelo grupo Sistemas de Transportes Sustentáveis, que sugeriu alterações em relação ao projeto original. O tema repercutiu no Jornal Valor Econômico (edição 13, 14 e 15 de maio) e no Jornal O Popular (edição 16 de maio).

Ele divulgou o projeto em missões internacionais, com o objetivo de atrair investidores. O assunto vem sendo tratado pelo governador Marconi Perillo desde o seu segundo mandato, primeiro com o então governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz, depois com ministros dos governos Lula e Dilma, e agora com o presidente Michel Temer (março/2017) e com o ministro dos Transportes, Maurício Quintella (abril/2017). O ministro pontuou que o Expresso Pequi “se torna cada vez mais viável e atrativo”. Na avaliação do governador, caso “a licitação seja resolvida ainda este ano, com certeza em três anos é possível a realização da obra. São trens com condições de viagem acima do padrão. Um sistema de qualidade e seguro. Estamos otimistas”, observou.

No final de fevereiro passado, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) entregou para o governador o EVTEA do Trem de Passageiros Goiânia-Brasília, que prevê investimento global da ordem de R$ 9,5 bilhões, dos quais R$ 7,5 bilhões pela iniciativa privada. O estudo é muito mais do que uma proposta de construção: é o primeiro passo efetivo para a implantação do trem, explicou Marconi.

Na reunião de fevereiro com o diretor geral da ANTT, Jorge Bastos, o governador recebeu três grandes volumes do documento intitulado “Tomada de Subsídios”. Trata-se das contribuições propostas em consonância com os resultados apresentados no Estudo de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental – EVTEA – do trem de passageiros no corredor Brasília/Anápolis/Goiânia, realizado pelo consórcio formado pelas empresas EGIS, LOGIT, JGP e Machado Meyer.

Segundo o diretor Jorge Bastos, o estudo foi concluído no início daquele mês. “Apresentamos ao governador as propostas que vieram. Agora o processo vai caminhar mais rápido. Esperamos que a licitação se dê ainda este ano”, comentou.

O governador considera que desde quando começou a ser estudado, o projeto recebido foi bastante aprimorado. A ANTT apresentou um cronograma de desembolso por parte dos estados e da União. O início desses desembolsos, segundo o governador, se daria após três anos do início da obra. Começa em R$ 6 milhões e aumenta gradativamente.

Alterações do plano original

Traçado Projeto TremO grupo Sistemas de Transportes Sustentáveis sugere, entre as alterações ao plano original apresentadas à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que a contrapartida do poder público, de R$ 2,9 bilhões diluídos em 30 anos, para um investimento total de aproximadamente R$ 8,9 bilhões, seja de R$ 130 milhões por 15 anos, e de R$ 30 milhões quando começarem as operações, totalizando quase R$ 2 bilhões. Os coreanos defendem ainda que o projeto só se viabiliza como uma parceria público-privada (PPP) e que, dificilmente, se sustentaria com o modelo de concessão pura.

O plano de investimento prevê um traçado de 186,68 quilômetros (extensão total), tempo de viagem de 70 minutos, tarifas diferenciadas de R$ 100,00 (Brasília-Goiânia) e R$ 30,00 (Goiânia-Anápolis), além de frequência de composição a cada 15 minutos (4 a 5 composições por hora), velocidade de 250 Km/h (máxima) e concessão de 33 anos. O grupo, diferentemente da opinião de especialistas em transportes, defende a tese que o número de passageiros será suficiente para afiançar o investimento.

As projeções são de que a obra seja licitada no final deste ano ou no início de 2018, com previsão de operação em 36 meses. Outro ponto apresentado pelos investidores, para que o projeto tenha credibilidade, é criar mecanismos de proteção cambial. “Na nossa análise, o projeto poderia ser alterado no sentido de ser mais atrativo financeiramente e viável, se fosse mais robusto e consistente. Fizemos essa proposta e está sendo avaliada pelo Governo Federal”, disse o diretor do grupo Sistemas de Transportes Sustentáveis, Paulo Benites.

O economista Bernardo Figueiredo, ex-presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), contratado como consultor pelos coreanos, declarou que o projeto alternativo descarta qualquer tipo de transporte de cargas, e prevê duas paradas intermediárias: Anápolis (GO) e Samambaia (DF). A previsão é de um preço em torno de R$ 100 por bilhete na viagem expressa de ponta a ponta, e de R$ 30,00 de Goiânia a Anápolis, com velocidade máxima de R$ 250 km/h. “A concessionária teria o direito de explorar as áreas das estações com atividades comerciais e imobiliárias, de acordo com o que a legislação já permite. Isso é uma espécie de colchão para mitigar o risco de demanda”, explicou o consultor.

Gabinete de Imprensa do Governador de Goiás

Grupo está interessado em financiar o trem ligando Goiânia a Brasília Reviewed by on . Fruto do trabalho incessante do Governo de Goiás na busca de investimentos para o estado, o trem de alta velocidade ligando Goiânia a Brasília, também conhecido Fruto do trabalho incessante do Governo de Goiás na busca de investimentos para o estado, o trem de alta velocidade ligando Goiânia a Brasília, também conhecido Rating: 0

Leave a Comment

scroll to top